Artigos Destaque Intermediário

Planejamento Estratégico: início, meio e fim

O início

O ponto de partida para um planejamento estratégico dar certo é ele contar com uma liderança engajada, seja o dono de uma empresa, o presidente de uma entidade, o gestor público, que não apenas acredita na importância do planejamento, mas também se envolve. Um líder engajado saberá reunir, acompanhar e motivar a equipe de trabalho para juntos responderem às perguntas básicas de um planejamento estratégico:

– Quem somos? Qual a nossa missão? Qual a nossa visão de futuro? Quais são os valores que nos orientam?
– Onde estamos? Qual é o cenário em que nos encontramos?
– Onde queremos chegar?
– Que caminhos vamos trilhar?

Numa linguagem mais técnica é definir a Filosofia da organização, fazer o SWOT, montar o Mapa Estratégico, definir as Metas e os Planos de Ação, com prazos e os respectivos responsáveis. Todas estas etapas devem ser registradas para que todos possam acompanhar a evolução num processo que se chama de governança ou gestão estratégica. É muito importante ficar bem claro quem faz o que e quando.

O meio

Transformar a teoria em prática, ou seja, executar os planos que foram planejados, representa o grande desafio do planejamento estratégico. Desafio de quem lidera e coordena e de todos os colaboradores. Quanto melhor for o planejamento, mais organizado for o acompanhamento e melhor for a comunicação entre todas as partes, mais chances de sucesso terá o planejamento estratégico. Para isso, há softwares especializados que ajudam tanto na etapa do planejamento como no acompanhamento, cujo resultado é muito superior às tradicionais planilhas eletrônicas. O software Scopi é um bom exemplo. Confira algumas dicas que ajudam na execução do planejamento:

– O conhecimento de todo o plano e a habilidade para executar a sua parte são essenciais aos responsáveis pela execução;
– A reunião de avaliação precisa ocorrer sistematicamente e nela as métricas (metas) e o andamento dos prazos precisam ser analisados. Quando as metas e os prazos não são cumpridos, é necessário agir e reprogramar prazos. Não é recomendado deixar ações pendentes sem um nova previsão;
– Mesmo ocorrendo a reunião de avaliação, o planejamento pode ser monitorado diariamente (daí novamente a importância de um software online), até porque os cenários mudam e quanto mais cedo situações de desvio são percebidas, mais chances temos de superar os obstáculos que surgem;
– Aqueles que estão começando a trabalhar com planejamento estratégico não devem dar passos maiores do que podem. É preferível começar com metas menos ambiciosas e planos menos complexos, para depois evoluir;
– Para manter a equipe motivada e também reconhecer o trabalho é importante premiar. O PPR (Programa de Participação nos Resultados) vinculado às metas do planejamento estratégico é uma prática recomendada.

O fim

Quem começa um planejamento e não vê a hora de chegar ao fim, precisará rever o seu conceito de planejamento estratégico. Na verdade, planejamento estratégico não tem fim. Há um período de dois ou mais anos para o qual são definidas metas, porém, assim que este período encerra, um novo período inicia, com metas e planos renovados, mantendo-se, normalmente, a filosofia e os principais objetivos estratégicos da organização. Aquele que consegue criar o hábito de planejar com qualidade não terá nenhuma resistência para compreender o planejamento estratégico com um empreendimento sem fim. Espíritos empreendedores serão sempre capazes e se agregarem tecnologias como o Scopi as perspectivas de sucesso serão ainda maiores.

Categorias: ArtigoseBooksNotíciasVídeos.

Veja também:
início, meio e fim

Você também pode se interessar
eBook – Guia Prático do Planejamento Estratégico
Conheça o Scopi e gerencie a produtividade da sua empresa