Artigos

Uma reflexão sobre o tempo

reflexão sobre o tempo

Incrível! As festas de fim de ano já se foram. Em breve, o carnaval também passará e, mais uma vez, vamos ter a sensação que o tempo voa.

Voa o tempo ou somos nós quem voamos nele? Independentemente de qual seja a resposta, algo parece ser consenso: estamos sem tempo.

Muitos filósofos pensaram e escreveram sobre o tempo. Um deles foi Agostinho, que viveu aí pelos anos 400 DC. Para Agostinho, o tempo existe apenas como algo que a nós escapa: “O que é o tempo, afinal?” pergunta ele. E responde: “se ninguém me pergunta, eu sei, mas se me perguntam e eu quero explicar, já não sei”.

Experimentamos o tempo, mas não conseguimos dizer o que é. Tempo que foge, escorrega, escapa, tanto na prática como no conceito. Quando falamos nele, ele já não existe mais.

Um dos maiores desejos do homem moderno foi medir e controlar o tempo, com o sonho de poder dominá-lo. Na Antigüidade, o tempo era medido de acordo com os ciclos da natureza: o dia e a noite, as quatro estações. Foi apenas no século XIII que o homem inventou o relógio mecânico. A grande revolução que o relógio permitiu foi a possibilidade de ordenar a vida das pessoas com precisão (horas, minutos e segundos). Uma revolução que foi aperfeiçoada com o relógio digital e mudou para sempre a organização do trabalho e da sociedade. A vida passou a ser determinada pelo ritmo incessante do relógio. Uma invenção para dar conta de outra, se considerarmos o tempo como uma invenção humana.

Mas, afinal, o tempo acabou sendo dominado? Não! Muito pelo contrário, o tempo é quem nos domina cada vez mais. Hoje ele faz parte do nosso corpo, está no pulso, no bolso, na bolsa e é soberano na determinação de quando um compromisso inicia e termina. Onde quer que estejamos, ele está nos avisando que está passando, que temos menos tempo para viver e realizar nossos sonhos.

Mas, se por um lado, não dá para dominá-lo, dá para melhor aproveitá-lo. Uma dica é fazer um bom planejamento. Planejar a vida profissional, a vida pessoal. Pensar antes no que pode ou deve ocorrer ali e lá na frente. Definir o que fazer, quando e porquê.

Alguns irão perguntar: “Planejar não consome tempo?”. Certamente.

Porém, bem menos do que fazer as coisas sem planejamento. Reduz em boa medida os equívocos provocados por não ter planejado. Ao fim e ao cabo, ganhamos tempo.

Mais uma dica: há tecnologias que ajudam a planejar sem perder tempo, o Scopi é uma delas.

 

Marcos Kayser

Cocriador do Scopi

Compartilhe:

Marcos Kayser
Marcos Kayser
CEO e Co-Fundador Scopi, Marcos é especialista em Planejamento Estratégico e mestre em Filosofia pela Unisinos, sendo também Diretor de Gestão da empresa TCA Informática, vencedora do Prêmio Nacional de Inovação em 2013.
Você também pode se interessar
Certificação Great Place to Work 2017
Como fazer uma boa apresentação?